segunda-feira, 27 de junho de 2011

Jardim Bordallo Pinheiro

A P. chegou na quinta-feira à tarde para passar o fim-de-semana em Lisboa e para além de 2 ou 3 sítios onde ela queria ir (nomeadamente a H&M, porque. segundo ela, cá chegam coisas mais giras do que ao Porto), ela deixou o resto da diversão por minha conta. O tempo não era muito, mas como já havia alguns sítios onde eu queria ir (e tu não vens comigo...), não foi nada difícil. Difícil foi conseguir encaixar e fazer tudo...!

Na quinta, quando ela chegou, fomos a Belém, à Roda Gigante (como já te mostrei) e aos pastéis (é deveras interesante notar como só vou aos pastéis de Belém quando chega alguém de fora...). Jantámos no Fábulas e ficámo-nos por aí.

Na sexta-feira desafiei-a a ir comigo ao Museu da Cidade, no Campo Grande, para ver algo que há muito tinha apontado na agenda e não tinha conseguido ver: o Jardim Bordallo Pinheiro. Uma ideia da Catarina Portas executada num projecto da Joana Vasconcelos. Ah, e que bela ideia a minha! Adorámos, ficámos loucas a cada descoberta (porque os animais de loiça estão espalhados pelo jardim e muitas vezes apareciam em sítios inesperados), divertimo-nos imenso, e os demais jardins do Museu da cidade também são muito bonitos e habitados por outros animais bem reais:

O pavão simpático que posou para a foto logo à entrada no Museu.

À entrada do Jardim Bordallo Pinheiro há um gato em cima do muro. A Vista Alegre está a comercializar estes gatos, juntamente com umas sardinhas que eu adoro e que adorava ter!

Os azulejos no muro do jardim.

Um tronco (sim, é loiça!) com uma lagartixa que, curiosamente, na fotografia desaparece no meio das cores do tronco.

Um gato escondido dentro de um canteiro, prontinho a atacar qualquer passarinho incauto.

Umas folhas.

Um lagarto prestes a fugir do jardim.

O prato da lagosta que tanto eu como a P. temos também na nossa cozinha (herança das avós).

Um caracol gigante.

A P. armada em sereia de janela.

O lago do marisco. Ele é peixes, lagostas, lagostins, até abelhas há na fonte central, é só escolher!

Estes peixinhos, embora engane pela fotografia, estão completamente submermos e o efeito visto de cima é mesmo de que estão ali a nadar.

As abelhas na fonte. Havia um canteiro com uma abelha gigante à qual não consegui tirar fotografia porque me fazia demasiada impressão.

A chaminé cheia de andorinhas e o gato em baixo pronto a saltar-lhes em cima!

Um camaleão em cima da sebe.
Macaquinhos pendurados na árvore (nenhum deles tarado como o vosso amigo macaquinho masturbador).
E, na base da árvore, um lobo esperava por eles de boca aberta!

—"Ah, lobo, porque é que tens uma boca tão grande?"

O lago dos sapos e nenúfares.

Ainda beijei o sapo na esperança de se transformar em príncipe, mas nada...

Um lagarto a trepar à árvore.

Uma cobra no arbusto. A P. não resistiu a fazer-lhe uma festinha, tão simpática que ela era...

Lembras-te da Fábula do lobo e da cegonha?

Como podes ver, este jardim é deliciosamente mágico! Os animais são lindos! E pensar que a fábrica esteve quase para fechar!!! Ainda bem que a salvaram, porque estes animais são todos perfeitos (e sim, são todos de loiça!), era uma arte que se perderia para sempre. Ainda me deu mais vontade de ter a sardinha...
Depois demos mais uma voltinha pelo jardim antes de irmos para a Baixa e a P. se perder em compras pela H&M (e de termos assado na loja do Chiado! Já investiam uns trocos no ar condicionado, não? É que é terrível o calor lá dentro, especialmente nos provadores, onde estive à espera para ver as provas da P.). Quando a A.C. saiu do trabalho foi ter connosco e levei-as a jantar ao Stasha, que elas adoraram! E sim, eu disse que tinhas sido tu a "apresentar-me" o restaurante...


Banquinhos de azulejo junto a uma fonte desactivada nos jardins do museu.

Uma fonte habitada por sereias e outras estátuas, juntamente com patinhos, pombos azuis e brancos e uma outra ave que não sabemos a que família pertence, mas que tem um ar muito patusco.

P. in Wonderland

Havia uma zona com jogos tradicionais, como a malha, ou o jogo do burro, e com banquinhos.

Ficámos muito emocionadas com os pavões bébés, nunca tínhamos visto nenhum!

E este casalinho estava em grande namoro e cumplicidade a catarem-se um ao outro... Eheheh!

Era assim que se enviavam smiles antes dos computadores e dos telemóveis...
Sábado foi o dia mais longo. Acordámos às 8h e só nos deitámos lá para as 4 da manhã. Como consequência, ontem não me conseguia mexer e ainda hoje me custa imenso pousar sequer os pés no chão...! Tenho as costas feitas num oito e a cada passo que dou faço uma careta com as dores... Mas isso fica para outro post, que agora tenho de me ir despachar para ir cortar o cabelo!

Beijinho!
A.R.

6 comentários:

Nuno Laranja disse...

Oh, o jardim parece estar espetacular! Também o quero visitar da próxima vez que aparecer por Lisboa. (:

Miminho.com disse...

Acabei de conhecer o vosso blog e achei bastante divertido! Gostei muito dos artigos, das vossas fotos e da vossa boa disposição :)
Já estou a seguir!

Beijinhos*

http://miminhoscom.blogspot.com/

A.R./A.T. disse...

Nuno, é só apareceres! Já sabes que eu estou sempre pronta para ser turista na minha cidade ;)

M, sê muito bem-vinda! Esta coisa do blog puxa blog é sempre engraçado e também já andei a espreitar o Miminhos e gostei muito. Aviso-te desde já é que somos duas primas taralhocas e a minha prima ainda é mais tótó que eu porque é preguiçosa e escreve cá pouco... Temos fases, as duas... Lol!

Beijinhos aos dois!
A.R.

carla disse...

tão giro!! onde é este jardim??

A.R./A.T. disse...

Olá Carla :)

É um jardim dentro dos jardins do Museu da Cidade, em Lisboa, no Campo Grande.

Boboquinha disse...

Fui a esse jardim pouco depois de o terem divulgado na imprensa. Ainda apanhei a fonte a jorrar água. Fico contente por ver que se mantém as peças. Receava que aos poucos desaparecessem. Também lá viste os bancos cogumelos? Os caracóis banco?

Porém o resto da visita pelo jardim é um tanto desoladora. Tudo degradado, sem manutenção e quando lá fui era mal frequentado por jovens que ali iam... divertir-se.
As fontes da sereia e demais estátuas eram belas, mas estão largadas ao desbarato. Nesse jardim encontrei uma torneira aberta que prontamente fechei. Não se pode desperdiçar água...

Ah! E eu comprei recentemente uma sardinha Bordalo Pinheiro! Também o podes fazer, julgo que são mais baratas no Leilões. É linda. Comprei só uma, mas gostava de ter um cardume :D