terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Flipped

Olha, com isto tudo, eu é que fiquei "flipada"! Acabei de ver o filme mais giro dos últimos tempos!!

Juro que há muito que não gostava tanto de um filme assim! Não sei se foi pela fotografia (as cores do filme... hummm!), pelos actores, pelo argumento, pela época... Ou melhor, acho que foi tudo um pouco. Mas acho que o que mais me faz vibrar é ser protagonizado por dois miúdos algures entre os anos 50 e 60. E, se calhar, o facto de tornar bem visível o quanto as mulheres são mais espertas do que os homens e como sabem muito melhor o que querem, muito antes deles sequer saberem.

Prima, vê. A sério. Não te vais arrepender. E vais chegar ao fim a adorar a miúda, que eu sei. Eu fiquei a adorá-la.



Que tal foi o teu fim-de-semana do caloiro em Portimão?

A.R.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Eis que avistei o "Grand"...


Encontrei-o! Hoje de manhã, entre uma chuvada e outra, consegui encontrar o Grand'Elias! Prima, temos mesmo de lá ir, fiquei apaixonada pelo hall de entrada que só não fotografei porque tinha um sinal a avisar "sorria, está a ser filmado".

E depois de espreitar lá para dentro, acho que vou mudar o slogan. Vai passar a ser "O Grand'Elias é castiço todos os dias"!

Até amanhã!!!
A.R.


P.S.: Sabe bem ter-te por perto. 

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Olhos que riem

Hoje tive uma daquelas que pode bem vir a ser a minha cadeira preferida este ano (estranho isto de chamarmos "cadeiras" às disciplinas na faculdade, não é? Tenho de ver se investigo de onde vem esta denominação...). Já é a terceira aula e a disciplina acaba por tornar-se fantástica porque a professora é uma daquelas raras professoras que tem um verdadeiro gosto e prazer em dar aulas. E por isso mesmo torna as aulas numa tertúlia hipnotizante em que somos levados pelas suas palavras e damos por nós quase a dançar com a cabeça e olhos, de boca semi-aberta a beber cada gotinha de conhecimento que ela nos transmite. É uma verdadeira delícia! Adoro professores assim e já há muitos anos que não me acontecia encontrar um professor tão eloquente. 

Por isso mesmo hoje não pude fazer outra coisa senão sorrir e corar (não com vergonha mas com a nítida sensação de ter sido "apanhada" em flagrante) quando uma colega mais velha, com a qual ainda não tinha tido oportunidade de falar, quando me viu sorriu e perguntou "Tu gostas muito desta aula, não gostas?". Pois é, algo me denunciou! A colega disse, muito contente (pois já havia sido aluna desta professora noutra cadeira) que realmente esta professora era fenomenal, que dava um gozo absurdo assistir às suas aulas e tornava-se quase impossível não sairmos de lá embevecidos e completamente apaixonados pela literatura. E como ela se sentava nas mesas da frente e a professora "passeia" muito pela aula, gesticulando e declamando versos que parece trazer escondidos debaixo da língua (num esconderijo sem fim), ela reparava muitas vezes que os colegas estavam quase sempre boquiabertos a ouvi-la, completamente captivos das suas palavras, e que tinha reparado particularmente em mim porque eu sorria com o olhar e apresentava uma expressão de pleno deleite durante toda a aula.

Gosto tanto dessa ideia de sorrir com o olhar... E a expressão não podia ser mais perfeita tendo em conta o que aconteceu a seguir. Finalmente (prima, FINALMENTE) tenho um rapaz giro na minha turma!! Quer dizer pelo menos àquela disciplina... Não desfazendo os outros (tenho colegas que adoro, já desde o semestre passado, e alguns até têm a sua pinta), mas este... Humm... É que é precisamente isso: olhos que riem. Ele tem um sorriso lindo e doce e quando sorri... os olhos riem! Há tanto tempo que não encontrava essa característica (que adoro) num rapaz!

Não, não falei com ele e sim, sei o nome dele porque simplesmente outros colegas que já o conheciam falaram com ele. E não, não tenciono falar com ele brevemente. 

Deixa-me saborear, no anonimato, aquele sorriso doce e aqueles olhos que riem...

Beijinho,
A.R.


P.S.: E, no entretanto, consegues fazer com que pare de chover?

Este ferido de guerra encontrei-o hoje na rua e não resisti...

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Impressão Digital

Os meus olhos são uns olhos.
E é com esses olhos uns
Que eu vejo no mundo escolhos
Onde outros com outros olhos,
Não vêem escolhos nenhuns.

                   Quem diz escolhos diz flores.
                   De tudo o mesmo se diz.
                   Onde uns vêem luto e dores
                   Uns outros descobrem cores
                   Do mais formoso matiz.

Nas ruas ou nas estradas
Onde passa tanta gente,
Uns vêem pedras pisadas,
Mas outros, gnomos e fadas
Num halo resplandecente.

                   Inútil seguir vizinhos,
                   Querer ser depois ou ser antes,
                   Cada um é seus caminhos.
                   Onde Sancho vê moinhos
                   D. Quixote vê gigantes.

Vê moinhos? São moinhos.
Vê gigantes? São gigantes.

António Gedeão


Ai ...AMO O MEU PAI!

A.T.

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Restaurante o Grand'Elias

De há uns tempos para cá, volta e meia, recebo um telefonema que me deixa morta de riso. E o culpado é geralmente o mesmo: o restaurante Grand'Elias. Tu sabes que eu não sou muito dada a telefones, mas há coisas com as quais é impossível não rir e ficar bem-disposta...

Hoje voltaram-me a ligar a perguntar se era do Grand'Elias. Desfiz o equívoco, o senhor pediu-me desulpa e a coisa ficou por ali. Mas... Hoje o bichinho da curiosidade roeu mais forte e não resisti a fazer uma pequena pesquisa. Esclareci o motivo de tanto telefonema cá para casa: o telefone do restaurante é realmente muito semelhante ao meu. Entretanto fiquei aqui com outra ideia a ganhar raízes: visitar o próprio do restaurante que ainda por cima fica muito perto da minha faculdade! Queres lá ir comigo quando voltares? Era muito engraçado! Ainda por cima eles são especializados em cozinha minhota, pelo que devemos encontrar por lá grandes pitéus!

Descobri ainda no site do Grand'Elias uma pequena secção onde dava para entrar em contacto com eles. E como estava mesmo bem disposta (e vá, no fundo no fundo, sou uma palhacinha) não me contive e mandei-lhes o seguinte e-mail:



"Ora viva!
Tenho vindo a constatar que partilhamos um número de telefone muito semelhante, uma vez que recebo pelo menos uns 2 telefonemas por mês a perguntar se é do restaurante o Grand'Elias!
Esta coincidência já me proporcionou momentos bastante caricatos, como da vez em que me perguntaram directamente se vendia frangos para fora (o que me fez desatar a rir à gargalhada e a deixar a interloctura do outro lado do telefone bastante confusa) ou mesmo quando me perguntaram se fazia jantares de grupo e eu fiquei muito atrapalhada porque pensei que fosse algum amigo a pregar-me uma partida... Felizmente a maior parte das pessoas confirma sempre se fala do restaurante o Grand'Elias, o que me permite imediatamente desfazer o engano. 
Infelizmente não conheço pessoalmente o restaurante e hoje, após mais um telefonema equivocado não resisti a fazer uma pequena pesquisa para descobrir onde ficava e (pasme-se!) percebo que fica bastante próximo da minha faculdade, até!

Fiquei muito contente por descobrir que fazem jantares de grupo (na próxima vez que alguém me ligar já vou saber responder), embora não encontre nenhuma referência a venda de frangos para fora (não deve ser o caso, portanto)...

Deixo-vos alegremente com o pequeno slogan que criei para estes casos de telefonemas enganados, e espero ir comprovar brevemente se esta máxima se verifica:
"No restaurante o Grand'Elias a comida é boa todos os dias, mas está equivocado porque ligou para o número errado...!"

Boas comidas!"

A.R.

Vesgolhinhaaaa...

Olá prima vesgolha! Ainda te salta muita gosma dos olhos cada vez que tosses? Eheheheh! 

Deixo-te aqui algo giro para te divertires (embora algumas já tenhas visto antes): tatuagens com um pequeno twist humorístico - as minhas preferidas! 

Frutinha



Diz lá que estas feridas falsas não têm a sua piada!?

Esta da ferida de bala acho genial!




Nunca pensei nas orelhas desta forma... Adoro o Wally!!!!



Pormenores com humor




Este ponto de exclamação é das minhas preferidas! Tão simples, tão pequeno  e tão peremptório!
As mais pequeninas conseguem ser as mais divertidas.

Sexy...
 

Os Beatles!


Opá, opá, opá!!!! Bigodes!!! Demais!!!



Adoro as tatuagens com bichos cómicos e a ideia tanto de tatuar a branco como com tinta só visível com luz negra, como neste caso.
Não era fantástico tatuar o gato de Cheshire em que só se visse o sorriso a preto e o resto só aparecesse com a luz negra?! Assim o gato aparecia... e desaparecia... aparecia... desaparecia... e ficava só o sorriso a flutuar...
E esta mega peça da Alice no país das maravilhas?


 

 

 

Esta é da PaniEkscelecja.
O Mooch!! O que eu adorava a bd do Mutts!
Afinal os unicórnios existem! Eheh!

Uma tatuagem-desenho. Parece um esboço na pele.


E porque o dia dos namorados se aproxima, um coração pixelizado.

Bom restinho de fim-de-semana!

A.R.




Quase todas as imagens foram retiradas do site Fuck Yeah, Tattoos!, excepto a assinalada.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Desafio prestes a ser cumprido...



Admito que a foto não se compara à sensualidade da cena que se proporciona neste mesmo local ( até porque necessitava de ter um companheiro para tal lol!!)

Adorei a dica nº2, ai realmente os nossos traumas dos 5 anos sao horríveis , um dia destes partilho os meus ;)!

Para terminar em beleza...
 Hoje é o meu último dia em Barcelona e estou com uma conjuntivite viral altamente contagiosa! Vês prima, há coisas que só me acontecem a mim!!

  Beijao , ADORO TE!

  A.T.

It's kind of a funny story



Acabei de ver e adorei. Os problemas não desaparecem, mas nada como perspectivá-los de outro ângulo para juntar forças extra para os enfrentar. Vê, tenho a certeza de que também vais gostar.

A.R.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Dica do dia #2

Se vais ao ginásio regularmente e tens a possibilidade de alugar um cacifo no ginásio... fá-lo.*


Eu acho que vou escrever uma comédia só com base nas minhas idas ao ginásio. Hoje foi o cúmulo da taralhoquice... Ora, por onde hei-de eu começar?

Antes de mais hoje houve greve no metro, pelo que só começava a funcionar por volta das 11:30h. Mas antes disso... Hoje foi o primeiro dia de aulas do 2º semestre. Segunda-feira é um dia light, só tenho uma aula das 10 às 12h, e como era o primeiro dia a coisa não passou duma apresentação geral, conteúdos programáticos e sistema de avaliação (a professora saiu-me cá um prato...! Com uma atitude super-divertida, bem humorada, fez-me lembrar imenso a minha amiga D. que morava em frente à feira da ladra, lembras-te?). Saí mais cedo, ainda fiquei na conversa com umas colegas (umas novas, outras já do semestre passado) e depois fui andando para o ginásio.

Ora bem, há que inserir mais uns pormenores... Eu hoje tive um ataque de nostalgia da época em que andava muito de saltos altos (e como também era uma das minhas resoluções de ano novo...), hoje achei que era uma boa altura para me voltar a habituar a andar de saltos. Portanto, hoje decidi ir de saltos altos para a faculdade.
Só que enquanto outras pessoas falam em saltos e pensam nuns saltinhos, eu não levo a coisa pela metade... E levei estes meus novos amiguinhos:

Blanco

São estáveis e gosto imenso deles, mas o dia começou logo escorregadio... Enquanto ia a caminho da faculdade arrependi-me alguns milhares de vezes (talvez tantas vezes quantos passos dei!): o chão da minha avenida estava assustadoramente húmido e escorregadio, não encontrei 1m de calçada a direito que fosse e quase torci o pé umas boas dezenas de vezes. Resultado: chegar à faculdade foi um número de equilibrismo digno da melhor trapezista do Cirque du Soleil!

Com isto tudo, claro que cheguei ligeiramente atrasada, o que vale é que, graças à greve, a professora ainda chegou um bocadinho mais atrasada do que eu.

Ora então, no final da aula, vou eu apanhar o metro para o ginásio (já a fazer contas à vida e com um sorrisinho malicioso nos lábios a pensar que o meu regresso a casa já iria ser feito de ténis e não de saltos altos - ah! Malditas pedras da calçada que não se mantém direitas e não deixam uma rapariga parecer elegante a andar de saltos altos!) e pumba! Portas do metro fechadas. Bolas! Bem, como supostamente a greve terminava às 11:30h e eram 11:28h... Espera-se um bocadinho, certo? Errado. À boa maneira portuguesa, até a greve se atrasa. As portas do metro abriram ao meio dia. Menos mal, como era a hora a que eu era suposto sair das aulas, ainda ia muito a tempo.

Lá fui eu de metro, tchoc tchoc tchoc, toda contente e entalada (porque claro que o primeiro metro tinha de vir a ABARROTAR de gente, tudo sardinha em lata), e quando já estou mesmo a meia dúzia de passos (já dolorosos) do ginásio, joguei a mão ao bolso e pensei: "Merda! Deixei o cartão do ginásio no bolso do outro casaco!". Ah, pois é. Depois de tanto sofrimento não ia morrer na praia! Fui ao balcão, com o meu ar mais comprometido de sempre e pedi ajuda ao senhor que lá estava. Ao que parece é algo a que eles já estão bastante habituados e só tive de preencher um papelinho e emprestaram-me um cartãozinho para ir fazer a minha aulinha de spinning (sim, a mesma onde quase desmaiei na sexta-feira passada).

E lá estou eu, toda contentinha nos balneários a tirar a minha t-shirt para fora, os ténis, as peúgas e... "Merda! Deixei as calças em casa!"

Ai... Lá fui eu, cabisbaixa, ao balcão devolver o cartão, sem querer acreditar no meu azar depois de tanta dificuldade para lá chegar (mas já de ténis calçados, ao menos isso!). Agradeci ao senhor e encolhi os ombros tristinha:
  —Olhe, afinal não me esqueci só do cartão, também me esqueci das calças...
  —Ah, mas se quiser eu tenho ali uns calções e empresto-lhe! Quer?
Ora, que resposta darias tu? Calções de um senhor que não conheces? Fazer uma aula de calções? Nada me preparou para as palavras que saltaram da minha boca em seguida:
  —Ah, e acha que me servem?

Ahahah! Ainda não acredito que perguntei isso... Ahahahah! Bem, o senhor sorriu, disse que achava que sim e foi buscá-los. Voltou com uns calções de homem pretos da Nike (nos segundos em que esperei entrei em pânico, só me vinham à cabeça calções de licra, calções de maratonista, enfim... 30 por uma linha!):


Agradeci-lhe imenso, fiquei de os devolver depois da aula, enfim, lá vou eu de novo a caminho dos balneários. E a caminho dos balneários caio em mim: "Merda! A minha depilação não está nos seus melhores dias!". Ou seja, não estava mal, mas está naquela fase em que os pêlos já se vêm claramente, embora ainda não dê para tirar. Ora ora... "Pensa rápido Ana Rita, que com este filme todo não vais voltar atrás e dizer ao senhor que já não queres os calções..." Com o meu melhor espírito de desenrascanço a funcionar tive a ideia genial de deixar os collants que tinha vestidos (eu estava de vestido) por baixo dos calções! Isto teria sido uma solução fantástica se excluirmos o pequeno pormenor de eu estar com uns collants vermelhos. Mas mesmo vermelhos. Vermelhíssimos.

Bem vistas as coisas, podia ser pior. Eu podia estar com uns collants às riscas, às florinhas, às bolas ou até mesmo aos corações (sim, eu tenho uns collants brancos com corações vermelhos. Ah! E imagina que eu estava com os collants do natal! Aqueles que simulam umas meias de liga! Oh, meu Deus! Podia ter sido MUITO PIOR!)...! Portanto lá fui eu para a aula de t-shirt branca, calções pretos (e tu sabes que os calções são aquela peça de roupa que NÃO funciona de maneira alguma no meu corpo! Estes eram mesmo rés-vés, se fosse o número abaixo a coisa já não se dava), collants vermelhos (vermelhíssimos, opacos), ténis pretos e cabeleira ruiva (sim, que com o sol parece que estou um bocadinho mais ruiva ainda). Parecia uma freak. Isto tudo para uma aula onde toda a gente já me conhece como a rapariga que quase desmaiou... Enfim... Dizia eu que não gostava de dar nas vistas, não era?! Socorro!

No meio disto tudo ainda me apercebi que também me tinha esquecido do elástico, o que vale é que tinha uma fita de cabelo comigo e atei mal e porcamente o cabelo com ela (para piorar um bocadinho o ar freak). 

Na aula toda a gente mandou piadinhas, que o médico não estava lá desta vez, se eu tinha trazido açúcar e bolos, a professora pediu-me logo que ao mínimo sinal de má disposição a avisasse (e não me deixou fazer algumas partes mais puxadas da aula...!), houve colegas a imitar a minha calma na aula a avisar a professora que estava a ter uma quebra de tensão (para as que não tinham lá estado e assistido), houve ainda quem brincasse com o facto do médico e me dissesse que eu só podia voltar a ter uma quebra de tensão daqui a muitos meses porque iam fazer uma listinha entre as senhoras para poderem ser todas socorridas por ele e eu como já tinha sido agora ia para o fim da lista... Enfim... Bobinho da corte. Tás a ver o género, não estás?

A aula decorreu sem peripécias e para desilusão de muitas famílias não voltei a repetir a gracinha e não me senti mal no final.

Desfiz-me em agradecimentos ao senhor da recepção, tentei que ele me deixasse levar os calções para os devolver lavadinhos, mas ele garantiu-me que não era preciso preocupar-me porque tinham a lavandaria à disposição...

Saí de lá a pensar o quão importante é ter um cacifo nos balneários recheadinho com todas as coisas que eventualmente podemos esquecer. Mesmo. Esse vai passar a ser o meu objectivo a curto prazo: arranjar lá um cacifo. Porque por outra destas não dá para passar!

A seguir liguei à minha mãe e fartámo-nos de rir. Realmente, acontecem-me coisas do arco da velha! E ao falar com ela cheguei à conclusão que o que senti quando fui para a aula com aquele belo coordenado improvisado era muito parecido àquilo que senti quando tinha cerca de cinco anos de idade e (já não me lembro dos pormenores do acontecimento) tive de voltar da escolinha para casa com uns calções emprestados que eram de outro menino que ainda por cima era mais pequenino e me ficavam super curtinhos e apertados. Lembro-me de vir de mão dada com o meu pai para casa e de me sentir tremendamente injustiçada e humilhada não tanto pela pequenez dos calções brancos emprestados mas pelo que o rapazinho (mais novo que eu, há que reforçar essa ideia) me disse: "Ah, não te preocupes, eu trago sempre um par extra de calções porque também faço sempre xixi nas cuecas." Raios partam o miúdo! A querer ser simpático, só me irritou mais! Eu nunca fiz xixi nas cuecas e o facto de ter precisado de outra peça de roupa para voltar para casa tinha sido um triste acaso que nunca mais se repetiu. Bolas, nunca mais me esqueci disso. Incrível. 

E hoje, por momentos, quando me olhei ao espelho antes de ir para a aula juro que me senti tal como nesse dia, há muitos anos atrás. E quase que conseguia ouvir o miúdo a dizer "Não te preocupes, eu trago sempre um par de calções extra para estas ocasiões"...


A.R.



*A não ser que a tua casa seja na porta ao lado do ginásio...

Desafio: second try = done!!



Centro de la Plaza Real!
Lembra-te algo?? Fazem um grande plano desta Plaza , que eu adoro e na qual passei tão bons momentos, logo na parte inicial do filme!

 No fim desta semana, cumprirei o desafio completo!!;)


  Beijao,
  Ah e até lá deixo te com uma foto dos Santos Ferreira em Barcelona!!(Estou feliz!!)





              Saudades constantes,
              A.T.

Black Swan - Cisne Negro

Após quase seis meses desde que eu o anunciei aqui, o filme Black Swan (ou Cisne Negro na tradução portuguesa) finalmente estreou na quinta-feira passada. Ora quinta-feira foi dia de exame, o último exame de melhoria (só subi um valor, sinto-me ofendida - das duas, uma: ou estou mal habituada, ou fui roubada, eheheheh!) portanto nada melhor do que uma ida ao cinema à tarde para descomprimir e gozar os últimos pozinhos de férias (as aulas do segundo semestre começam já amanhã!).



Realmente o rótulo "thriller psicológico" é o que melhor se aplica aqui. O desconforto físico acompanha-nos enquanto espectadores ao longo de todo o filme (saí do cinema com as unhas vincadas na palma da mão tal não foi a força inconsciente que fiz para ter as mãos fechadas ao longo do filme... Há coisas com dedos e peles que me fazem muita confusão). No meio disto tudo até me esqueci de prestar a devida atenção aos fatos do bailado que tinham assinatura Rodarte...! Ah, e também descobri que a voz da Natalie me enerva. Mas se calhar é só o facto de ela ter um timbrezinho irritante aliado ao "ar de coitadinha" da personagem.



E estou tão contente e orgulhosa por termos uma Special guest no nosso blog!!!! M. cor-de-rosa: tu és linda, nós adoramos-te! E uma vez que a tótó da minha prima está quase de volta (e quase não nos mostrou nada de Barcelona, é uma preguiçosa!), espero que continues a mostrar-nos coisas e a contar-nos novidades giras nestes próximos 6 meses aí por Strasbourg! Adorei o teu post e só me deixou ainda com mais vontade de ver mais! Obrigadaaa!!



Prima, põe-te a pau, não escrevas não, que eu troco-te pela M. em dois tempos! 
Beijinhos às duas!
A.R.

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Salut mes copines :)

A pedido não de muitas mas, de apenas dois elementos(mentira, foi mesmo só de um elemento- o outro é desnaturado/a ), de uma só família: Ferreira :) Venho por este meio dar o meu pequeno contributo cultural a este fantástico blog que sigo com tanta assiduidade !

Uma vez que me encontro a fazer Erasmus em Strasbourg, vou mostrar-vos um pouco daquilo que já conheço da cidade em duas semanas, espero que gostem !


Petite-france- um bairro com uma arquitectura muito peculiar e típica da zona de Strasbourg. 




 A catedral de Notre Dame de Strasbourg que já foi uma das mais altas do mundo sendo actualmente a quarta mais alta.


Um restaurante que me faz lembrar aquele onde a Angelina Jolie está no último filme ("O Turista") claro que com um pouco menos glamour pois o dela era em Paris!


As Galerias Lafayette- El Corte Inglés Francês( beaucoup plus cher)


Theatre National de Strasbourg


Passeio "fashionista" ... 





A seguir veio o Cosmopolitan mas este era o : Tropical breeze


Barco Latino: um barco, no rio, com música latina e "mojitos" ... what else?


Mais uma catedral...


Podia ser a Joana d´Arc...mas não consegui saber quem era....



Porque sei que alguém gosta de bancos de jardim... Este é do consulado da Rússia em Strasbourg


Anoitecer *



 Muitos beijinhos****M. Cor-de-rosa